terça-feira, 19 de outubro de 2010

Da Ilha para a Montanha


Nossa mudança começou com a saída de casa às 5h30 da madrugada. Carro cheio rumo ao aeroporto. Quando começamos a pensa nas coisas para levar a dúvida era: Mandar as caixas por transportadora ou levar no avião? 

Entrei em contato com um despachante aduaneiro de Florianópolis. O funcionário me explicou que só vale a pena mandar pertences com mais de 100kg, e o valor inicial é de R$ 2 mil. Como nós levaríamos poucas coisas, seria mais barato levar como excesso de bagagem mesmo.

Entrei em contato com a Gol para saber os procedimentos de excesso de bagagem. Cada passageiro pode levar até 70kg, incluindo os 23kg que cada um pode transportar sem pagar extras. A partir do 24º quilo é cobrada a tarifa correspondente a 1% do valor da passagem mais cara do dia.

Nossas bagagens estavam distribuídas em oito volumes despachados, que somaram 109kg, mais três bagagens de mão. Tínhamos direito a 43kg, pagamos R$ 244 pelos 63kg extras. 


Fora todos cálculos e contagem das caixas e malas, pra não perder nada na chegada, a despedida foi emocionante. O pai do Isac, minha mãe, minha irmã, meu cunhado e meu sobrinho/afilhado, minha tia, minha prima e namorado madrugaram para a despedida. A maioria dos amigos não madrugou, pq não tinha nem dormido ainda hahha. A Dinha, o Vinni e a Keka foram até lá em casa, saíram direto do show dos The Cramberies. O Gui e o Carlos também foram direto da balada, a única que madrugou foi a Kauana.


Só muito amor mesmo pra reunir o povo às 7h da manhã de um domingo! Tomamos café juntos, tiramos umas fotos, ouvimos todas as recomendações e embarcamos para São Paulo. O vôo foi rápido, menos de 50min. 

Em Guarulhos esperamos quase 3h para embarcar para Bogotá. O avião não estava lotado, ao nosso lado a poltrona ficou vazia. Dormimos a maior parte do tempo, e mesmo assim, deu pra cansar... Quase 6h voando. Passar pela Amazônia é muito legal. Ver o curso dos rios, aquela área toda de floresta, bem interessante. 


A vista superior de Bogotá é igualmente interessante. Ruas e zonas muito organizadas. Chegamos com sol e voltamos 3h no tempo, já que a diferença em relação ao Brasil é de 2h e iniciou o horário de verão.

No aeroporto enfrentamos a migração. Entregamos os passaportes, somos perguntados sobre o que vamos fazer na cidade, quanto tempo vamos ficar e onde ficaremos hospedados. Por mais que a gente saiba que nossa entrada não será negada, é um momento tenso.

Quando chegamos na esteira das bagagens nossas coisas estavam cercadas de funcionários do aeroporto. Por causa da fila demoramos alguns minutos. Eram nossos oito volumes e mais outras três malas de outros passageiros. Tirei tudo rapidinho para que ninguém levasse embora hehehe. Conseguimos uns carrinhos e saímos carregados. Antes da chegar na rua ainda precisamos passar tudo pelo scaner. Deu até pra suar com a correria... 


Em Bogotá existem muitos táxis, é bem barato, mas eles recomendam pegar somente os registrados, que chamamos por telefone. No aeroporto tem um guichê onde dizemos o itinerário o funcionário dá uma folhinha já com o valor do trajeto. Andamos 16 km por $ 21.000,00 (21 mil pesos, equivalente a R$ 21).

No próximo post as aventuras da chegada na nova casa.

Um comentário:

Clau disse...

Primaaa, peguei a fotinha pra mim!! ( : Me conta uma coisinha (mas me conta lá no email) essa foto das caixas e bagagens - do camaradinha embalando - vc fez com o celular ou com a máq. fotográfica? É q a foto do meu celular é mto ruim....o meu celular antigo é beeeem melhor...bjok.