domingo, 28 de novembro de 2010

A história do "Jogo do Ano"

Você eu não sei, mas nossas mães com certeza já viram que saiu uma foto nossa no jornal Diário Catarinense deste domingo. O DC é o jornal de maior circulação em SC, e não é porque já trabalhei lá e tenho amigos em todas editorias que nossas lindas carinhas apareceram na matéria, nossa participação se deu por indicação do Esteves Junior (@souavaiano) no Twitter. Esse não é o Profissão Repórter, mas aí vão os bastidores da notícia:

No dia 22 de novembro, no post que falei sobre o aniversário do Isac citei o @souavaiano, dizendo que foi com um tuite dele que ficamos sabendo do resultado do jogo do Avaí no dia 21/11. Na segunda-feira, mesmo dia do post, o Jean Balbinotti, repórter do DC, estava procurando torcedores do Avaí que estivessem fora do Brasil. Na hora que ele tuitou eu não estava on-line. Algumas horas depois entrei no Twitter e vi que tinha uma mensagem para mim com a indicação do @souavaiano sobre a busca do Jean. Mandei um tuite pro Jean dizendo que nosso perfil atendia a necessidade dele e assim começamos a troca de emails que resultou na nossa participação na matéria.

Mandei um textinho para ele sobre como acompanharíamos o jogo e ele nos pediu uma foto, na qual  estivéssemos vestindo a camisa do Avaí, para ilustrar a matéria. Missão dada é missão cumprida. Eu e o Isac saímos em busca de algum lugar onde pudéssemos fazer a foto com uma bandeira da Colômbia, para ficar legal. Moramos ao lado de uma sede recreativa das Forças Aéreas Colombianas, e próximo de uma pracinha que tem um posto da polícia. Foi exatamente nesse posto da polícia que encontramos uma bandeira do país. Montei o tripé, posicionei o Isac, ia preparar o disparador automático da câmera quando chegou um policial nos perguntando o que estávamos fazendo e dizendo que era proibido tirar fotos ali. Explicou que por estarmos em uma área militar não era permitiro etc e tal. Mal ele acabou de falar, com uma cara nada simpática, eu já tinha recolhido o tripé, a câmera e estava me mandando.

Continuamos nossa busca por um cenário adequado para a produção, sem o risco de sermos presos. Chegamos em uma outra pracinha de onde se pode avistar uma bandeira, os prédios de tijolinho a vista (marca registrada da arquitetura bogotana) e o nome do Banco de Bogotá em um prédio mais adiante. PERFEITO! Todos elementos que eu queria em um só lugar. Mais uma vez montamos o tripé, posicionei o Isac, fiz testes de fotos, e o povo passando, todo mundo olhando bem curioso. Eu não tenho problema em pagar mico, aliás, pago bem mais micos do que deveria... O Isac é um homem sério, não é muito chegado nessas histórias que eu invento, mas era pelo Avaí, ele tinha que colaborar. Poses sorridentes, fotos tiradas, pegamos o equipamento e voltamos para casa com o sentimento de dever cumprido!


Mandei as fotos para o Jean e fiquei esperando a publicação no DC on-line. A edição impressa, aquela que vamos guardar de recordação, a mãe do Isac comprou e está esperando por nós em Floripa.

Hoje, dia do jogo, como está escrito na matéria, acompanhamos pelo Twitter. A Carla Cavalheiro e o Esteves Junior nos manteram informados durante a partida, enquanto o Isac quase tinha um ataque cardíaco e eu estava muito tensa, fomos sofrendo e vibrando com a vitória incontestável do Leão. Com Neymar em campo, de virada e com belíssimos gols do Caio. Depois do jogo conseguimos acompanhar a transmissão da rádio CBN e sentir o clima da Ressacada, torcida alucinada, jogadores de joelhos no gramado, festa com champanhe, sensacional!!! E ano que vem, clássico mané na Série A. Assim que sair a tabela dos jogos, ano que vem, vamos dar uma espiada no calendário e torcer para, quem sabe, pegar um voo aqui e descer direto na Ressacada.

sábado, 27 de novembro de 2010

En Bogotá ya és Navidad

Pela primeira vez na vida vi um Papai Noel vestido com aquela roupa quente sem suar. Vi decoração de Natal com neve fazer sentido.  Mais do que nunca senti que estou realmente em outro país. Hoje patinei no gelo, e o cuidado dos engenheiros da pista é com a chuva, e não com o calor. Não há a menor possibilidade de a pista derreter em função da temperatura, onde estamos a Ceia de Navidad (como é chamado o Natal em espanhol) é realizada com a lareira acessa, e não com ventiladores espalhados pela casa.

A Nestlé, o Bancolombia e a prefeitura de Bogotá montaram uma estrutura com pista de patinação no gelo na Plaza Bolívar, onde ficam os prédios do governo e centro histórico. A praça está linda, toda decorada com luzes e bastante movimentada.


Desde o final de outubro já sabia que seria realizada a promoção de trocar cinco embalagens de produtos da Nestlé por um ingresso para a atividade. Passamos o mês juntando pacotes, não podia deixar de passar por essa experiência. Na semana passada conquistei meu ingresso, e aguardei ansiosamente pelo dia de hoje.


E o dia amanheceu chovendo, torrencialmente. Aqui chove praticamente todos os dias, mas durante uns 40 minutos e depois para. Hoje não apresentava o menor indício de parar...  Não encontrei informações sobre o funcionamento da pista de patinação numa situação assim, e no ingresso dizia que a data era intransferível.  No final da tarde encaramos o tempo fechado, e molhado, e fomos até o local para tentar trocar a entrada, ou, patinar se parasse de chover.

A praça estava lotada, uma fila quilométrica, o povo por aqui parece se incomodar mais com o frio do que com a chuva. Não imaginei que teria tanta gente depois de um dia tão inapropriado. Na hora que chegamos já não chovia mais (foram as minhas orações) e resolvemos entrar na fila, torcendo para conseguir entrar.

Foi anoitecendo, a cada trinta minutos a fila andava alguns metros.  Fazia frio, acho que a temperatura mais baixa que já pegamos na rua até agora, uns 10°C. No total ficamos exatamente duas horas na fila. O horário de funcionamento é das 10h às 19h, em função do dia eles encerraram as atividades mais tarde. Eu consegui entrar quase às 19h50min. Levei 15min para pegar os patins, 15min patinando e mais 20min para devolver o equipamento.


O Isac ficou na arquibancada, registrando o momento, fez fotos e um vídeo do meu desempenho esportivo e também da decoração da praça. Para minha sorte ele não fotografou, e nem filmou, o momento crítico, a queda. Um tombinho, só para ralar o joelho, molhar a roupa e dar risada. Resolvi que podia dar uma acelerada nos movimentos, pena que sou desequilibrada, mas até os bons sofrem quedas, e eu já sou experiente. Foi minha terceira vez praticando: já passei pela pista do no Shopping Itaguaçu (lááááááá no ano de 1994 quando tinha um monte de atividades para crianças, quem lembra???? Eu e minha prima Cláudia fomos!!!), já deslizei no Costão do Santinho, em 2008 ( nessa a Dessa, minha irmã, estava junto), e hoje. Sou muito desenvolta hahahahaha.

video

No fim foram duas horas de espera para se divertir por 15min e ter uma sensação muito boa, a de patinar ao ar livre, ao lado de uma gigantesca Árvore de Natal e iluminada por uma belíssima decoração. Valeu a pena!


Na saída da praça, indo em direção ao lugar onde pegamos a buseta para voltar para casa, caminhamos por uma rua também decorada com luzes. Linda! Já eram quase 21h e muita gente ainda caminhava por lá. Achei muito bonito o envolvimento da população com a cidade.  Por aqui já vemos muita decoração de Navidad nas casas, nos prédios e nas ruas. No Brasil a gente sabe que o Natal está se aproximando quando somos bombardeados por propagandas, aqui é diferente, algo muito mais poético.

Esse ano vamos passar o 25 de dezembro no calor, confraternizando com a família, e suando. Nos próximos anos não sabemos, talvez nossa comemoração possa ser nesse clima mais frio, com Papai Noel bem vestido e decoração de flocos de neve que combinam com a temperatura.

Mais fotos da noite iluminada

Matando a saudade de casa

Poucas coisas são tão simples, e tão boas, como dar risada. Eu e o Isac acabamos de passar duas horas rindo, com vontade. Um dos quadros de humor da rádio Atlântida de Santa Catarina é o personagem Darci, que é apresentado nos intervalos da programação, um legítimo pescador de Florianópolis, quem conhece os nativos sabe como eles falam. No Youtube é fácil encontrar as aventuras do manezinho mais irreverente da Ilha. A gente sempre aumentava o volume do rádio para ouvir, geralmente no carro, quando estava em Floripa.

Acho que ouvimos todos os episódios. Entre eles ouvimos o Darci no Yoga. Quem nunca viu o Isac rindo de chorar perdeu a oportunidade. Quando o Darci começou a contar sua ida à uma aula de Yoga o Isac gargalhava lembrando da minha experiência tentando fazer a primeira aula

 

"Marquei o horário direitinho, cheguei lá com a professora e ela me disse Não vai mais ter. Não vai mais ter porque querida?? Ela disse Namaste e não Não vai mais ter..."

Depois dessa o Isac quase não conseguiu ouvir o resto, ria tanto e me disse que entendi errado no dia que voltei para casa, que a guria da recepção tava fazendo uma saudação e eu achando que não teria aula.

Lógico que essa não foi a minha situação, mas foi inevitável não fazer a comparação das histórias. Quero só ver eu na próxima aula de yoga, quando o professor disser Namaste, vai ser, no mínimo, engraçado.

Em tempo, os melhores episódios são:

Darci e a Espaçonave -  "Só lâmpada de 100. No máximo, no máxino, no mínimo a conta vai dar uns 300 real"

Darci vira outro homem - "Quando vi já tinha tomado 18 gelada e meio litro de cachaça"

Darci no cinema 3D - "O cara já deu um óculos pra mim, uma lente de contato pra mãe, fui logo dizendo, ohh meu querido, aqui ninguém tem pobrema de zóio não"

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Papo de brasileiras

Além da aula de Yoga, que me deixou bem feliz, a quinta-feira também teve saldo positivo pq conheci a Mila, brasileira que entrou em contato comigo através do blog e que está morando em Bogotá desde o dia 18 deste mês. Ela namora um colombiano e veio para cá com a cara e a coragem (muita coragem).

Conversamos por msn desde o começo do mês (qdo ela ainda morava em outra cidade com o namorado) e hoje conseguimos nos encontrar. Foi um café e uma conversa muito boa. Com certeza é o começo de uma amizade que vai se fortalecer nessas terras estrangeiras.

Falando em estrangeira, ela já tem a famosa Cedula de Extranjeria, que nós ainda não temos. Questão de tempo, ano que vem também teremos a nossa, e vai ser mais fácil se sentir bem vindo por aqui.

Famoso documento exigido para contratar serviços e morar legalmente no país

Conversamos por quase duas horas, o suficiente para saber uma da outra como viemos para aqui e para planejar alguns passeios. Daqui para frente é só colocar tudo em prática.

Shanti Shanti Shanti

Paz para mim, para o próximo e para o mundo, isso quer dizer um dos mantras entoados durante minha primeira aula de Yoga, Shanti Shanti Shanti.

Sim, aula de Yoga. Comecei a pensar em fazer aqui em Bogotá. Sempre que passava em frente ao local das aulas, nas idas para o Centro Comercial Chile, tinha interesse em entrar e pedir informações. Semana passada fiz isso. Achei que $ 20.000 era um preço justo por uma atividade que me faria mexer o corpo e, quem sabe, ajudar em outras questões.

As aulas são nas 3ªf e 5ªf. Esperei ansiosa pela 3ªf desta semana. Fui bem empolgada para a aula, até chegar lá e dar com o nariz na porta. Naquele dia, excepcionalmente, não haveria aula. Voltei para casa, xingando o Murphy, que algumas vezes insiste em se colocar no caminho.

Tudo bem, hoje chegou o dia. Na sala onde é ministrada a aula alguns colchonetes no chão e uma colega de classe, uma senhora que não parecia muito afim de papo. Chegou o professor, me apresentei e expliquei que seria minha primeira experiência, ele não pareceu se preocupar e disse que se não entendesse qualquer coisa poderia perguntar. Eu só pensava que não poderia bater palmas no final da atividade, como fazemos nas aula de body combat (mistura de artes marciais e queima de muita caloria, a aula que eu mais gostava na academia).

Nos primeiros minutos já me sentia tranquila e entrei no clima. Algumas posições básicas e muita respiração, assim percorreu a aula. Fiquei impressionada com a forma de respirar, simples e eficiente. Achei que seria difícil, mas é muito natural. E não tem nada de "imagine-se correndo por um lindo gramado ou nadando em um lago" ou "esvazie sua mente", nada disso, nada fora da casinha. É um momento de fazer as coisas com mais calma, com movimentos pensados e que realmente proporciona um desligamento do exterior por 90 minutos. 



Li que o Yoga é benéfico para quem é ansioso, tem problemas para dormir e de estômago (SOU EU!). Confesso que em algum momento já tive preconceito sobre a prática, a ignorância nos leva ao preconceito. Nunca achei que combinaria com um momento zen, mas deu certo. Saí de lá me sentindo mais leve, e sem gastar 10% de calorias que gastaria em uma aula de ginástica. Foi realmente benéfico e pretendo repetir a aula, quantas vezes forem possíveis. 

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Quarta-feira é dia de cinema

Depois da tentativa frustrada de assistir Harry Potter 7 - Parte 1 no domingo hoje tentamos novamente. O Isac já leu todos os livros, e já assistimos todos os filmes, esse, que parece ser o melhor pelo que ando ouvindo, não teria como esperar até dezembro para ver.

Traçamos toda estratégia de horários e locais. O cinema escolhido foi o do Centro Comercial Hacienda Santa Bárbara, que fica 54 ruas a frente da nossa. O horário da sessão 19h. Como final de tarde o trânsito é uma loucura, planejamos sair de casa perto das 17h. Caso não tivesse mais ingresso tentaríamos o cinema do Centro Comercial Unicentro, um pouquinho mais para frente.

Chegamos ao Sta Bárbara antes das 18h, fomos direto procurar o cinema para comprar os ingressos. Para nossa surpresa ainda restavam muitos bilhetes, melhor assim, era a garantia de assistir o filme.

Descobrimos uma promoção dos cinemas nas quartas-feiras, levando uma tampinha do refrigerante Quatro, da Coca-Cola, pagamos meia-entrada. Ainda bem que a promoção não é com o Postobon Manzana, senão pagava entrada inteira mesmo... Assim temos ido toda semana ao cinema, que custa em média R$ 13,00 a sessão e com a promoção pagamos esse valor para os dois.

Comemos um lanche, caminhamos pelo shopping, que é um tanto quanto estranho na distribuição das lojas, dá para se perder fácil... parece ser um dos primeiros da cidade. Ele tem uma parte mais antiga, com áreas abertas, e uma parte mais nova, como um shopping normal.

Entramos na sala, a melhor que já fomos até agora, uma tela bem grande e áudio muito bom. A capacidade da sala é para 168 pessoas, não tinham mais do que 25, contando com a gente. Entre essas duas dúzias e meia, cinco não pararam de falar durante todo o filme, e estavam ao nosso redor.

Entrada da sala principal do cine

Uma das duplas de tagaleras pareciam ser mãe e filha. A filha sabia tudo, já a mãe... parecia aquela pessoa que nunca assistiu um capítulo da novela e senta para assistir o último, aí fica perguntando quem é todo mundo. Essas falaram mais nos primeiros minutos do filme, os outros três que não calaram a boca eram adolescentes, esses sim eram chatos...

Aí tendo que redobrar a atenção, já que as legendas eram em espanhol, uma hora deu vontade de dar um tapa na cabeça de uma das gurias para ver se ela se tocava... mas aí lembrei que eu também falo muito durante o filme quando estou com meus amigos e resolvi relevar.

O filme é ótimo, não li o último livro, mas pelo que estão dizendo, é o mais fiel. Adorei!! Agora fica aquela vontade de assistir logo a segunda parte e encerrar assim a saga do bruxo mais famoso de todos os tempos, pelo menos para a geração anos 2000.

Coisas que só vejo por aqui

Faz 38 dias que estamos em Bogotá. Desde a hora que pude ver a cidade, ainda de cima, no avião, muita coisa me chama atenção. Além do idioma diferente, que está em placas, avisos, propagandas, jornais e na boca de todos, muitas coisas são diferentes por aqui.

Não sei se o fato de sair de uma cidade de 400 mil habitantes, e desembarcar em uma com mais de 8 milhões, contribui para que eu veja coisas que não via em Floripa, só sei que algumas se repetem, na maioria dos lugares, por isso resolvi escrever sobre essas peculiaridades.

Atendimento
A grande maioria dos lugares que já fomos, principalmente nas lojas, somos recebidos com muita simpatia e prestatividade. Nas vitrines não são vistas etiquetas com preços, por isso é necessário entrar na loja para saber sobre a mercadoria. Mesmo entrando só para perguntar o valor somos atendidos com um sorriso, e com expressões que ouvimos quase sempre: "para servilos" e "con mucho gusto". Não sei se eles já conheciam a expressão "gracias, estoy só mirando", eu uso bastante hahahaha.

Motoqueiros
Todos motoqueiros usam um colete e um capacete que mostram a placa da moto.

Identificação obrigatória

Macas
Essas macas para atendimento médico de urgência podem ser vistas em muitos lugares, shoppings, supermercados, Transmilenio, academias, enfim, onde tem circulação de muitas pessoas tem uma.

Essa maca é do Museo del Oro

Cartão de Crédito
A compra pode ser de um donut, ou de um microondas, quando usamos o cartão de crédito a pergunta é sempre a mesma "Quantas cotas?"
Dá próxima vez vou comer um Big Mac e mandar fazer em 36 vezes para ver o que o atendente me diz ¬¬
Se bem que eu acho que ele vai tentar sem nem questionar...
O interessante é que no Brasil a pergunta sempre é "Crédito ou Débito?" e aqui o questionamento é sobre quantidade de parcelas. Para essas coisas não adianta buscar razões, só me resta registrar aqui no blog.

Moço, um café e uma rosquinha, em 12 vezes, por favor

Celulares
Uma das coisas mais interessantes é a facilidade para fazer uma ligação telefônica. A cada 200 metros, e não estou exagerando, é possível encontrar uma barraquinha que vende comida e ligações. O preço do minuto varia conforme o bairro. Aqui perto de casa as plaquinhas indicam $ 200 (R$ 0,20) o minuto, mas para o sul da cidade já vi até por $ 100. Nós já usamos o serviço, e tem muita gente que usa. E não é só nas barraquinhas de comida, os celulares para fazer as ligações estão nos salões de beleza, nos pontos de táxi e até nas floriculturas itinerantes.

Tá vendo a faixa verde ali no cantinho?! Minutos!!!
Só chegar, ligar e pagar

Vai um Biluzitos? Ou quem sabe uma ligação?
Nessa barraquinha já mostra o preço

E quem não quiser flores, pode fazer ligação. Plaquinha ali em cima, feita com
letras de coroa fúnebre... cada um com sua maneira de oferecer o produto...


E se parar para observar, cada um desses tipos de comércio é intrigante. As bancas que vendem comida oferecem desde salada de frutas até pão com carne de porco, além de salgadinhos e doces. Em vários locais são vendidas flores na calçada, nem precisa ir muito longe em busca de uma floricultura. E salão de beleza não é difícil encontrar, são muitos, um do lado do outro, só aqui perto de casa são uns 20 (novamente, sem exagerar...).

Essas e outras coisas só vejo por aqui. Fico devendo fotos das bancas de comida. Quando vamos pegar o Transmilenio passamos por uma praça que tem muitas ofertas de refeições na rua... fico só imaginando como deve ser o sanduiche com gosto de monóxido de carbono (URGHHHH, nojinho).

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

E de presente, vitória do Avaí!

Há 29 anos, no dia 21 de novembro, nasceu um manezinho, torcedor do Avaí, ex-aluno do Instituto,  formado (no ensino médio e pós-médio) pela antiga ETF-SC e graduado pela UFSC. Gosta de jogar futebol, de tomar banho de mar e andar de chinelo. Um legítimo filho da Ilha que conhece a cidade de Norte a Sul. Muito bem criado sempre foi batalhador e dedicado. Começou a trabalhar cedo, e aprendeu que a conquistar dos sonhos através do esforço é sempre o caminho mais certo e recomendado.

Filho, irmão, afilhado, marido, amigo e funcionário de dar orgulho! É comprometido, estrategista e certeiro, sem deixar de sorrir e ser extremamente prestativo.

Meu amor há onze anos, marido há seis meses. Companheiro, carinhoso, atencioso, que não tem receio de dizer que ama. Está sempre disposto a ajudar e consolar meus chiliques. Digo que é meu anjo, uma das suas missões na Terra é cuidar de mim, sem dúvida.

Este ano ele comemorou o aniversário longe da família, e isso só aconteceu porque ele está colhendo um dos frutos da sua promissora carreira profissional. Estamos longe de casa, porém com a certeza de que essa distância fará dele um homem ainda mais completo, em todos os sentidos.

Quando ele me disse que a proposta de sair de Floripa era concreta falei para ele que o acompanharia, afinal, sei do seu potencial e tenho certeza que os planos dele sempre contemplaram um futuro seguro.  Só posso dizer que o amo, demais, e que todos esses anos ao lado dele só me fizeram amadurecer e aprender. Parabéns amor, que possamos comemorar muitos aniversários, seja em Bogotá ou em qualquer lugar.

A comemoração do aniversário começou no sábado à noite, com uma seleção de queijos e frios, acompanhada de um vinho.


De sobremesa, e para cantar parabéns, brownie com sorvete, cerejas e velinha. Os votos de felicidade e muito amor continuaram, mas esses eu me recuso a descrever...



No domingo, dia do aniversário, almoçamos em casa e à tarde os planos eram de assistir Harry Potter no cinema Imax, que fica no Centro Comercial Plaza das Américas, ao Sul de Bogotá. O shopping fica ao lado do parque de diversões Mundo Aventura, um dos lugares que já estava em nossa lista de futuras visitas.

Chegamos em tempo de pegar a sessão das 18h15, na hora de comprar os ingressos a informação: o filme é dublado. Sem chance. Não assistiríamos dublado em português, imagina em espanhol... obrigada, deixa para a próxima.

Sem filme para assistir resolvemos ir ao Mundo Aventura. Eles oferecem vários tipos de passaporte e também a opção de pagar $ 3.000 pela entrada e o valor de cada brinquedo, ou atração, separada. Como o Isac já sabia de tudo isso, pois já tinha pesquisado no site do parque, entramos em fomos procurar o mini-golf, que para nossa sorte era bem próximo da entrada e da praça Bogotá Turística. 


Tiramos algumas fotos, o Isac comprou as entradas para o Golfito ($ 4.000 cada uma) e ficamos na fila esperando a nossa vez. Enquanto isso o Avaí jogava na Ressacada, estava no final do primeiro tempo e o placar marcava 1 x 0, informações tiradas do Twitter.






A hora que terminamos nossa partida de golf já era noite, hora de voltar para casa. Do shopping sai um microônibus que leva os clientes até a estação do Transmilenio, que fica a 1km de distância, talvez um pouquinho mais. Na ida fomos caminhando, na volta, como já estava escuro, era melhor não arriscar.

Esperamos o ônibus e fomos bem bonitinhos até a estação do Transmilenio, 1 hora depois de sair do shopping estávamos em casa para assistir aos melhores momentos da partida entre Avaí e Atlético -GO, que terminou em 3 x 0 para o Avaí, tirando o Leão da Zona de Rebaixamento e presenteando o Isac com uma bela vitória e a imagem da Ressacada lotada.

E assim comemoramos o aniversário desse avaiano que está longe de casa, mas que não deixa de acompanhar, torcer, sofrer, vibrar e se alegrar com o time do coração.

domingo, 21 de novembro de 2010

Ahhh um bilhete premiado da Mega

Sábado foi dia de querer ter dinheiro sobrando. Fomos em San Andresito (desta vez no lugar certo), paraíso das compras de eletrônicos, celulares, perfumes, tênis, roupas, enfim, uma infinidade de produtos.

Nossas buscas estavam concentradas em celulares (Nokia pro Isac e iPhone para mim), lente zoom para minha câmera da Nikon e as encomendas de perfumes e da D90 que o Vinni quer comprar. Entramos em praticamente todos centros comerciais. Olhamos, perguntamos e pesquisamos em muitas lojas, cartões têm de sobra. Saímos de lá com um agasalho da Adidas para mim, hehehe, as outras coisas estavam longe do nosso alcance financeiro do dia. E compramos também o perfume da Shakira, encomenda da prima Cláudia que é muito fã cantora colombiana.

A cantante mais famosa do país :)

Vale a pena caminhar, perguntar e pechinchar. Várias lojas aceitam cartão de crédito e todas dão desconto se o pagamento for em dinheiro, en efectivo, como eles dizem. Chegando em casa procuramos os produtos no Mercado Livre, para ter uma idéia de como estão, e são semelhantes. A vantagem de comprar em San Andresito é que não tem frete e pegamos o produto na hora, a desvantagem é que não tem como parcelar. 

Tarjetas de várias tiendas

O que achamos mais vantajoso por aqui, em relação ao ML, foi o iPhone 4 de 32Gb, por R$ 1.700, desbloqueado. Já o 3GS dá para comprar por R$1.200, de 32Gb.

Procuramos quatro perfumes: 212 Sexy, CK One, Armani Code e o Shakira. Os preços variam bastante de uma loja para outra. Na primeira que entramos todos eles estavam com uma diferença de uns 20% mais barato. 212 Sexy (100ml) R$ 85, CK One (100ml) R$ 52, Armani Cold (75ml) R$ 135 e o Shakira (80ml) R$ 60. Encomendas são aceitas neste balcão :D
Quem quiser algum perfume posso voltar lá e comprar, cobro um frete baratinho, coisa de R$ 1.700,00 :P  Brincadeirinha!!!! Só não posso sair daqui carregada senão não chego em Floripa, fico presa em São Paulo por contrabando.

Depois de horas caminhando entre as lojinhas dá vontade de achar uma árvore de dinheiro. Compraria muita coisa de lá...


sábado, 20 de novembro de 2010

"A gente não quer só comida..."

Hoje foi dia de fazer compras. A dispensa já estava vazia, não tinha mais arroz, macarrão, feijão e, o mais importante, as besteiras. Sem arroz até ficamos alguns dias, mas sem helado de arequipe, nem pensar. Já conheço o Carulla, que fica aqui pertinho de casa, o Carrefour, onde fizemos as compras do começo do mês e o microondas, e o Éx!to. 

O mercado que mais gostei aqui foi o Éx!to, hoje fomos no da Calle 80 (tem sete mercados em Bogotá), e estava bem tranquilo. No primeiro final de semana do mês e no terceiro (dias de pagamento) é bem complicado, muita gente, muitos carrinhos, familias inteiras fazendo compras... é movimentação demais para o meu gosto...

Fiz algumas fotos das coisas que me chamam atenção, principalmente pelos preços diferentes do que estamos acostumados no Brasil. 

500gr de bacon por algo como R$17,50

Tocineta, conhecido por nós brasileiros como bacon. Essa foto foi para o Rafael, meu cunhado, ver a fortuna que custa por aqui, ele adora.
 

Leite condensado por R$5,10 só em ocasiões especiais 

Leite condensado é algo por aqui... lata pouca coisa maior do que a brasileira (400g) e por mais que o dobro do preço. Como a mãe do Isac faz docinhos estávamos sempre atrás de promoção, comprávamos por R$1,99 geralmente.


Tem o Premio, o Kola Roman, o Hipinto um mais delicioso que o outro,
quem quiser já pode encomendar que levo pra Floripa...


Além dos preços mais caros, a oferta de refrigerantes chama atenção. São bem diferentes, praticamente todas marcas têm opções de refri de maça (manzana) e cola. A Postobon é que investe nos preferidos do povo por aqui, além do manzana (aquele rosa que tomei logo que cheguei) tem de laranja e o Colombiana, que parece ser um desses de cola, sei lá, nem vou arriscar provar, só se for de graça hehehe. 

Isac, sem saber escolher qual é o mais gostoso da linha Postobon ¬¬
(NOT, um pior que o outro)

Outra coisa curiosa são os sucos de saquinho. Tang, comum, faz 1 litro, não existe. Começa já em 2 litros, e tem os que fazem 3, 6 e até 9 litros... eles são um tanto quanto obsecados por embalagens grandes por aqui.

Vai um Ya de laranja faz 9 litros?? Deve ser bem fácil fazer

Estávamos empolgadíssimos nos divertindo com os nomes e sabores dos refris até que brilha aos nossos olhos uma latinha vermelha, dentro dela o líquido precioso: REFRIGENTE DE GUARANÁ!!! O Éx!to importa de São Paulo refrigerantes da Schincariol, entre eles, guaraná!!!!

Buraquinho deixado pelas latinhas que trouxemos para casa!!!

Guaraná sempre foi nosso refri preferido, estávamos sentindo falta dele, agora já sabemos onde encontrar, e na geladeira já tem umas latinhas para matar a saudade.

Andando mais um pouquinho o Isac encontrou Castanha do Pará, embalada como Nueces de Brasil. Não compramos, mas a foto registra o achado.


Resumindo, passamos mais de 3 horas dentro do super, fazendo algumas compras e fotografando outras tantas. Saímos com o carrinho cheio e mais uma conta imensa no cartão hehehe, mas fazer o que, precisamos comer e nos divertir né?!

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Igual, mas diferente

Seguindo a linha prestação de serviço (a que esse humilde blog se propõe) vou mostrar que nem tudo é desconhecido por aqui.

Alguns produtos que conhecemos no Brasil também são vendidos aqui, porém com outra marca. Vejam as que já encontramos:


  • Arisco, dos molhos e demais produtos aqui é Fruco. 
  • Elma Chips (nem precisa explicar) é Frito Lay.
  • O maravilhoso Leite Moça é La Lechera.
  • A margarina Doriana é Rama.
  • Shampoos Seda é Sedal (com a mesma variedade de opções).
  • E o absorvente Sempre Livre é StayFree.
Por enquanto esses são os que identificamos. Meninas bogotanas (essas que já estão aqui fazendo compras faz tempo...) quais outros produtos vocês encontram??

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O Rei cantando em espanhol (Será?!?!?!?!)

Era 21 de outubro, minhas primeiras voltas por Bogotá. Eu e o Isac fomos ao shopping  e voltávamos de táxi para casa. Com o objetivo de registrar o intenso movimento das ruas no começo da noite comecei a gravar um vídeo com o celular. 

Do som do táxi tocavam músicas em espanhol, estava sintonizado na Rádio Reloj, emissora da capital. Lá pelas tantas começa uma música com um espanhol diferente, meio estranho, atentamos os ouvidos. Era na verdade um espanhol bem ruim, parecia ser um brasileiro cantando. O Isac disse que era o Roberto Carlos, eu disse que não era, tinha certeza que não era.

Ele, cheio de razão, perguntou para o taxista se sabia quem estava cantando. O taxista disse que não sabia, mas podia ser o Roberto Carlos. Pronto, vocês precisavam ver a cara do meu amado esposo, a expressão que confirmava que ele estava certo, e eu, errada. Mesmo com a  confirmação do motorista não me conformei, para mim não era o Rei e os dois não iam me convercer.

Passado quase um mês, lembrei do vídeo. Agora, com internet, posso postar e mostrar para todos o diálogo no táxi. Pois bem, fui pesquisar a letra para colocar aqui, afinal os fãs do Roberto Carlos podem aprender a cantar em espanhol. 

As pesquisas não estavam ajudando, as referências que apareciam eram sobre a música De Que Vale Isso Tudo, e não parecia ser a letra que ouvimos no táxi. Até que, de repente, leio a seguinte frase: "A este cantante se le confundia con la voz de Roberto Carlos".  B-I-N-G-O!!!!!! Aí sim começou a minha busca. A frase é parte de um comentário feito no You Tube, em um vídeo da música "De que vale tener todo en la vida" do cantor José Augusto.

Eu tinha certeza, aquela não era a voz do Roberto Carlos, muito parecida, sem dúvida, mas não era ele. O Isac já estava quase dormingo quando fiz minha descoberta, mesmo assim falei para ele, quem tinha razão era eu, ele e o taxista estavam errados. Nós não temos o terrível costume de ficar discutindo quem tem razão, mesmo pq se isso acontecesse não estaríamos juntos há 11 anos, inclusive eu vivo dizendo que ele está sempre certo, mas desta vez eu sabia que era diferente.

Depois de achar o cantor certo, e a música certa, aí foi mais fácil complementar a informação. Encontrei até um blog que fala sobre músicos brasileiros cantanto em espanhol, o La Música de Anggie.
E tem também a letra da belíssima canção:

Nada, mas importa ahora, si llego la hora en que
partirás, sigo sin saber mi rumbo ya no
me acostumbro que no estes aquiiiiii........

de que vale tener todo en la vida, de que vale
que esté todo en flor si no tengo mas tu
cariño, si no siento mas tu calor de que
vale tener todo en la vida, de que vale que
esté todo en flor si no tengo mas tu
cariño, si no siento mas tu calor.

Ahora yo vivo tan libre, puedo, elegir mi amor
Pero nada me interesa, aunque me ofrezcan el
mundo a mis pieeeeeeees....

de que vale tener todo en la vida, de que vale
que este todo en flor si no tengo mas tu
cariño, si no siento mas tu calor de que
vale tener todo en lavida de que vale que este
todo en flor si no tengo mas tu cariño,
si no siento mas tu calor. Se que otro
te ama piensa que tu amor no me pertenece pero
al sentirlo cerca, tu te desesperas, por pensar en miiiiii...

Ah, e não é só isso, acompanhe o vídeo da história (sem mta qualidade de imagem, mas o microfone é bom, dá pra ouvir em alto e bom som o banco do táxi rangendo... e não era a música romântica que estava motivando algo, o carro que era velho mesmo) e aproveite para fazer uma passeio pela Carrera 11 de Bogotá em horário de trancón.

video

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Sem Galvão, mas tá mais do que bom!

Amanhã tem Brasil x Argentina, lá no Qatar, isso todo mundo sabe. Achei que teria que catar uma TV com canal à cabo para assitir o jogo. Para minha agradável surpresa vai passar na TV aberta aqui de Bogotá, na RCN.

Fonte: G1 - Foto: Mowa Sport

Sou uma daquelas que acham que jogo da Seleção sem a narração do Galvão não é a mesma coisa. Agora imaginem vocês não ouvir na voz do narrador da Globo, e muito menos em português, vai ser engraçado.

Então amanhã todos juntos, na mesma torcida, vocês torcendo daí, a gente daqui! (credo, que frase clichê, já fui melhorzinha...)


segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Restaurante – Bar – Bailadero – Miradero – Conversadero – Estadero

Andrés Carne de Res. Esse nome aparece em todos os guias turísticos sobre a Colômbia, nas pesquisas do Google e revistas que falam de Bogotá. E não poderia ser diferente. É um lugar único, excêntrico, original, fascinante... Poderia passar linhas atribuindo adjetivos à ele.

Fica em Chía, uma cidade na região metropolitana de Bogotá. Andrés é o nome do proprietário do lugar. Res é carne de gado, então o nome do restaurante já sugere a especialidade da casa.

A chegada já enche os olhos, impossível não saber onde estamos. As vacas coloridas, um dos símbolos do restaurante, já estão pela calçada, um monte de coisas penduradas também.

Essa peguei emprestada da Andréa, que já foi três vezes lá

Ao entrar tudo chama a atenção. Eu fiquei doidinha, tem de tudo pelo teto, pelas paredes, nas mesas, indescritível.  Chegamos por volta das 13h, fomos com a Andréa, o Josué e a filha deles Maria Eduarda. No primeiro salão, onde parece ser noite o tempo todo, fica a decoração mais extravagante. Durante o dia a animação é garantida pelos músicos e atores que circulam pelo restaurante e estão sempre apresentando algum número e interagindo com os clientes. À noite o lugar vira balada, deve ser uma loucura.


O segundo espaço é na rua, onde ficam as oficinas para as crianças. Elas podem brincar de massinha, fazer objetos de carpintaria, pintar camisetas, fazer máscaras, enfim, larga a criança lá, dá comida e esquece, pega só na hora de ir embora, ocupação para elas não falta. Ficamos no terceiro salão, perto dessa parte recreativa. Igualmente decorado e com a visita dos músicos.


Ganhamos coroas e lenços para marcar nossa passagem por lá. A coroa diz: Andrés Restaurante – Bar – Bailadero – Miradero – Conversadero – Estadero. E no lenço: Visitante Ilustre – Cumpleañero, despedida o cualquier vaina (aniversário, despedida ou qq comemoração). Por aí já dá para sentir o tom descontraído. E a coroação é feita ao som de música típica e chuva de papel picado, muito divertido!

A especialidade da casa é carne, mas comemos peixe, e como tava bom, credo! Os sucos são servidos em copos que têm pagadores de talheres.


Nada é comum, até o banheiro oferece interação, com a mensagem na caixa de descarga.



No meio da tarde fui conhecer e fotografar o primeiro salão, aquele mais escuro, muitas coisas, demais! Muitas fotos também...

Hora de ir embora, pedimos a conta. Até ela é engraçadinha, pode vir de várias formas, a nossa foi em uma caixa com uma lanterna, uma lupa e uma caneta, para não ter dúvida. Vem também uns pacotinhos com doces colombianos, um papel de carta, para quem quiser deixar um recadinho para o Andrés.


Saímos de lá já estava anoitecendo. Tinha certeza que iria me divertir muito. Não poderia sair da Colômbia sem ter ido lá, a companhia foi igualmente agradável, conversamos um monte, e ainda tem papo.

Só posso confirmar o que todos os guias sugerem, todos devem conhecer o Andrés Carne de Res. Enquanto não pode vir conhecer pessoalmente, dá uma olhada nas fotos:

"Que coisa hein Batista"

 

Esse post é especialmente dedicado aos amigos colorados (que são muitos...). Coisas que só o Avaí faz por você :)

O gol mais rápido do Brasileirão da Série A este ano, aos 15 segundos, em pleno Beira-Rio!!!

Por essa nem a gente esperava hahahaha.

O desperdício foi que almoçamos com uma colorada, a Andréa, e nem sabíamos como estava sendo o jogo. Perdi a oportunidade de dar umas boas risadas. E acho que ela nem lembrou que o Inter jogava contra o Avaí, pq não nos perguntou qual era nosso time, mesmo sabendo que somos de Floripa.

Chegamos em casa de noite já, e com a abençoada internet, podemos conferir os melhores lances do jogo. O gol está aí em cima, narrado por não sei quem, não achei o nome dele... Só sei que o comentarista foi o Batista, e parece que os gaúchos não esperavam hehehe.

Sobre o almoço, no Andrés Carne de Res, conto amanhã, com mais calma. Só posso dizer que foi ótimo!

domingo, 14 de novembro de 2010

Abençoada conexão

Depois de quase um mês refém da internet do vizinho (que se chama Exercito Masacra Indigenas e só o nome já da medo) finalmente não dependemos mais boa vontade dessa rede para acessar a internet.  Não posso deixar de agradecer a essa que até agora estava nos servindo, bem ou mal era nossa única opção, porém agora temos o  poder de acessar a caixa de entrada do Gmail a hora que julgarmos necessário. 

Compramos hoje um moden pré-pago da Tigo (operadora de telefonia celular) que vai nos manter conectados pelos próximos 28 dias (pq dia 12 de dezembro embarcamos para Floripa!!!)

A simpatia em pessoa ;)

Depois da água quente esse foi o melhor acontecimento até agora. O fato de ser pré-pago facilitou a vida, já que não exigiram a tal cédula de extranjería para fazer um contrato.

Agora estou desfrutando a comodidade de postar no blog de casa, e o melhor, deitada na minha cama, ai ai, viva a tecnologia! Se bem que eu já deveria estar dormindo, amanhã vamos ao famoso Andrés Carne de Res, restaurante acontecimento, que já citei aqui em outro momento.

Vamos com a Andréa (brasileira que conheci semana passada no almoço do Grupo Aquarela), o esposo e a filha. Tenho certeza que vai ser ótimo! Amanhã então, post com fotos!!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Sorrisos

Essa é para mostrar que tem um monte de gente que amamos todos os dias sorrindo para nós!!



Ontem quando fomos ao shopping (aqui perto de casa) para assistir o filme brasileiro, vimos numa TV de lá que estava passando o jogo do Palmeiras e Atlético Mineiro, pela Sul Americana. Agora estamos voltando lá para assistir o jogo do Avaí (se passou ontem tem que passar hj também né?!).

Como é bom conversar

Ontem revivi a maravilhosa sensação de falar e ser entendida, ouvir e entender. Participei de um almoço do Grupo Aquarela, um grupo formado por mulheres, brasileiras, esposas de executivos que estão trabalhando aqui em Bogotá. Elas são quase 70 mulheres, o trabalho delas é realizar a integração das famílias que chegam aqui, além de promover festas como carnaval, festa junina e feijoada. Elas também fazem um trabalho voluntário com crianças colombianas, a arrecadação feita com a venda de convites para essas festas é revertida em benefício desse trabalho voluntário.

O convite para participar do almoço foi feito pela Channa Albertini, uma brasileira que está aqui há alguns meses e fez contato comigo através do blog (achei isso muito legal!!!). Conversamos por MSN e ela me falou das outras meninas que, assim como eu, já se sentiram perdidas ao chegarem aqui...

Fui apresentada a várias mulheres, mas como minha memória não me ajuda só vou conseguir juntar o nome a pessoa daqui um tempo... Todas são muito simpáticas e atenciosas. Conversei quase o tempo todo com a Andréa, uma gaúcha que está em Bogotá há cinco meses. Nossa empatia foi automática e tagarelamos por quase 3h, foi ótimo! Foi o segundo encontro que ela participou.

O mais legal é saber que tantas famílias estão por aqui e já passaram por esse período de insegurança que estamos vivendo. A Arlete, responsável por recepcionar e integrar as recém-chegadas, disse que tem uma lista de indicações como médicos, veterinários, escolas, serviços, enfim, quase um guia telefônico para a brasileirada que liga precisando de ajuda.


Almoço do Grupo Aquarela no restaurante Salto del Ángel, no parque da 93

Já me coloquei a disposição para ajudar o grupo, afinal, para quem sempre fez umas três coisas ao mesmo tempo como eu, ficar parada em casa é um sacrifício para a mente.

Quando tive a idéia de fazer este blog (mais um entre tantos que já iniciei) o objetivo principal era manter a família atualizada sobre nosso cotidiano, só que para minha extrema felicidade, mais do que isso ele está servindo para me fazer conhecer gente nova, e só aqui pude descobrir que, mais do que conhecer lugares, gosto é de conhecer gente... As conversas, as trocas de experiência, as risadas, isso é bem mais legal do que conhecer prédios históricos e lugares paradisíacos.

Outra brasileira que entrou em contato comigo através do blog foi a Mila Freire. Ela está morando em outra cidade da Colômbia e vem morar em Bogotá dia 18. Já estamos nos falando por e-mail e combinando uns passeios.

Tomara que o blog continue atraindo leitores e me proporcionando a satisfação de conhecer mais pessoas!

Artista da calle

Por aqui é comum estar em uma buseta e se deparar com alguém pedindo dinheiro no maior estilo “podia estar roubando, podia estar matando, mas estou só pedindo umas moedinhas”. Alguns são mais criativos e contam histórias ou cantam. Ontem, depois do almoço, encontrei o Isac no parque da 93 e pegamos uma buseta para voltar para casa. Poucos minutos depois entrou no ônibus um artista de rua que fazia objetos com balões, tipo aqueles animadores de festas infantis. Ele fez uma flor e realizou um sorteio entre os passageiros, disse para cada um falar um número entre 1 e 20, quem acertasse levava a flor. Um menino, bem tímido por sinal, acertou, o número era o 13. Todos bateram palmas e ele se afundou no banco, ficando todo vermelho.


Aí chegou a hora de fazer render a brincadeira. O brincalhão disse que tinha algumas opções, e que poderíamos escolher: Cartelas de adesivos do Chavez, por $1.000 (R$1,00), uma figura de balão que ele faria na hora, pelo mesmo preço, ou ainda depositar qualquer moedinha no chapéu que ele passaria em seguida.
Estávamos no último banco, o chapéu foi passando e a maioria das pessoas colocando moedas. Eu estava interessada numa flor, igual a do sorteio! Aí o Isac perguntou se eu queria, ainda bem que nem precisei pedir. Eu ganhei a flor, o Isac me deu um presente, o artista levou os $1.000 e todos ficamos felizes!


terça-feira, 9 de novembro de 2010

VI Semana de Cinema Brasileiro

Desde o dia 4 de novembro está sendo realizada a VI Semana del Cine Brasileño en Bogotá. São cinco longas, A festa da Menina Morta, Antes que o Mundo Acabe, Divã, É Proibido Fumar, No Meu Lugar e  Tempos de Paz, exibidos na sala 4 do Cine Colombia Multiplex Av. Chile.



As sessões são às 15h15, 18h15 e 21h15, a cada dia três filmes diferentes. O festival vai até amanhã, quarta-feira. Estou indo agora assitir No Meu Lugar, quero ver tb É Proibido Fumar e Tempos de Paz.

Depois faço um update do post contanto como foi :)

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Sábado cultural


Sábado é dia de conhecer a cidade, como todo bom turista. O destino deste final de semana foi o Museo del Oro. Fundado em 1939 o memorial conta, através de vídeos e diversas peças milenares, a história dos metais. A Interatividade é um dos pontos altos do espaço, mas depois eu conto isso.

Antes de chegarmos ao museu resolvemos dar uma voltinha por San Andresito, um camelozão que fica no centro. As lojinhas são famosas por venderem perfumes, eletrônicos e celulares por um preço bem mais atrativo que não comércio oficial. Diferente do Camelô de Floripa elas ficam em diversas lojas e galerias espalhadas por umas três ou quatro quadras. Me lembrou bastante a 25 de Março e o Brás, em São Paulo, principalmente pela comidarada que é vendida na rua...

Se não fosse o colombiano que atende dava para dizer que é no camelódromo de Floripa

Ouvimos falar bastante dessa zona de comércio, são duas em Bogotá, a que fomos não parece ser muito boa, a maioria dos celulares são usados e têm muita réplica. Estou em busca de um iPhone, mas o povo aqui só usa BlackBerry, uma coisa séria...
Também não vimos nada de perfumes e equipamento fotográfico, acho que a outra San Andrezito deve ser melhor, qualquer hora a gente vai lá.

Antes de mergulhar em nossa tarde histórica-cultural almoçamos um calentado, um dos pratos típicos da região. É um pratão com arroz, carne moída, salsicha, batata, feijão (o nosso foi com lentilha) e se preferir pode pedir também um ovo frito, nossa opção foi sem ovo. Geralmente não dou conta de tudo aí o Isac come o dele e o que eu não consegui comer do meu. Até agora foi a comida típica mais normal para o meu paladar.

Depois de um desses dá pra virar cimento a tarde toda :P

Bem alimentados rumamos ao museu. $3.000 (R$3 [ahhh, os pesos também são representados só por $, não são três mil dólares.]) para entrar e quatro andares de muita história.

Peças originais (na parte branca) e uma foto com a ampliação (em preto), assim os detalhes podem ser vistos

Museu é aquela coisa né, não adianta eu descrever, cada um tem seu momento de fruição, como já diria minha professora de estética cultural, Daniela Pistorello, excelente professora por sinal.

As minúscula peças de ouro eram feitas em moldes de barro


Uma das peças que eu mais gostei

A peça que deu origem ao museu, a primeira de todo o acervo

O que posso garantir é que a interatividade se faz presente em algumas salas, principalmente no 3º piso. Um dos espaços proporciona uma experiência sensorial fantástica, a reprodução de uma cerimônia indígena de oferenda. Conta a lenda que os xamãs arremessavam ouro e esmeraldas em um poço, como forma de agradecimento. Em uma sala que se fecha, e fica totalmente escura, luzes e sons nos estimulam diversos sentidos, só estando lá para entender.

Saindo do museu fomos numa galeria de lojas de artesanato, que fica ao lado do museu. Já sabemos onde serão compradas as lembrancinhas que levaremos para o Brasil!!! Muita coisa linda, dá para deixar uma boa grana por lá hehehe.


Na praça em frente ao museu tava rolando uma feira de livros, revistas e discos, um sebo ao ar livre, lembrei do meu amigo Vicente. Ele ia adorar procurar um Bukowski em espanhol...


Voltamos para casa de Transmilenio, sem imprevisto desta vez, tudo sob controle.